11.2.12

O Peregrino


O Peregrino

Na busca pelas respostas sobre o verdadeiro Resgate, peregrinos da Verdade tem viajado a diversos lugares da Terra, e alguns se perdem nas diversas ilusões que descobriram no caminho que trilharam. O continente latino-americano é rico em mistérios antigos e possui uma vasta cultura indígena e ancestral perdida que, até os dias de hoje, fascina o mundo. A Terra possui diversos centros energéticos, mas na América Latina existe uma concentração maior do que nos outros continentes.
Os discípulos da luz visitam esses centros de energia e conhecimento em diversos estados de consciência, tanto no corpo Físico como nos Suprafísicos. Todos esses centros de poder, ou Templos, são coordenados por entidades que atingiram a iluminação, mediante o conhecimento e o Cristo e são, portanto, guardiões dos segredos da humanidade e dos seus verdadeiros ancestrais.
Vamos viajar pela energia psíquica do peregrino Armando, que esteve presente em muitos desses Templos na procura pela Verdade. Ele mantém contato com outros buscadores que trilharam caminhos pelas Américas na busca de respostas.
Armando sempre foi uma pessoa que buscou o conhecimento do ocultismo, que sempre o impressionou e o atraiu profundamente. Brasileiro, descendente de europeus, teve sua vida marcada pela presença de distintas religiões e dogmas, que sempre foram incompreensíveis e sem lógica. Por essa razão, nunca acreditou em Deus e se considerava um ateu, pois não concordava com as explicações recebidas até então. Ao adquirir uma independência financeira, iniciou diversas viagens através de pontos misteriosos e esotéricos em busca da Verdade, tanto no Brasil como em outros países. Dessa forma, teve início a sua jornada rumo ao conhecimento do hermético mundo da metafísica e de suas distintas ramificações, que acabaram por levá-lo ao ponto central, que foi o caminho de Jesus Cristo.
Como muitas pessoas, ele considerava que as respostas sobre os mistérios do universo seriam encontradas nos lugares onde antigas civilizações deixaram suas marcas. Por essa razão, passou seis anos de sua vida viajando e morando nas regiões do Peru e Bolívia, que representavam os antigos domínios do Povo Inca. Todos os arredores de antigas civilizações desse quadrante, que inclui o norte do Chile e Argentina, foram alvo de suas pesquisas. O convívio com as pessoas e os Xamãs de cada local o colocou na linha esotérica da Fraternidade Branca.
Dentro das ilhas do Lago Titicaca descobriu fragmentos de histórias que eram mais antigas que os próprios Incas, como os Aimáras, que representam uma outra linhagem, que se dizia ser originária de antigas civilizações provenientes do continente perdido de MÚ, que submergiu.
Um ponto remoto como a cordilheira Andina, onde devido à altitude o ar rarefeito provoca insuficiência pulmonar, guarda mistérios abrangentes sobre a origem das raças, e também apresenta informações sobre o final dos tempos. Assim como, sobre antigas civilizações que, no passado, resgataram povos que não temos compreensão. Os Incas, Aimáras e os Quíchuas se sobrepuseram, confundindo o verdadeiro histórico desse povo com os antepassados que possuem mais de seis mil anos de história antes de seu desaparecimento.
Muitas vezes os contatos com energias do plano sutil espiritual eram praticados com o uso de ervas de poder ou alucinógenas, o que levou Armando a experimentar algumas delas. Porém, com o tempo descobriu que não é necessário o uso dessas plantas, pois através da meditação e do desenvolvimento interno pode-se atingir o mesmo efeito de contato com outros planos sem a interferência externa que essas ervas geram.
Durante esse processo de busca interior através do exterior, teve início uma alteração vibracional, pois o contato com o meio ambiente da região andina fez com que ele compreendesse a energia dos Xamãs que conheceu. Eles tiravam sua energia da natureza e de seu relacionamento com os Elementais dela, o nosso universo existencial.
Armando se iniciou dentro desses valores antes de ter a sua clarividência ativada. O contato com entidades astrais e, posteriormente, espaciais foi o ponto de despertar para uma nova realidade, pois antes disso, a existência de antigas civilizações extraterrestres era uma idéia lógica, mas o convívio com esses seres, que atualmente estudam o comportamento humano foi um grande choque. As condições sociais da nossa humanidade representam um laboratório existencial para muitas dessas culturas que Armando conseguiu conhecer em suas pesquisas nos Andes.
Armando representa um peregrino em busca da verdade interior, da mesma forma que milhares de outros já efetuaram e continuam a fazer, para conseguir se reintegrar em algo maior, que ainda não está ao alcance de suas ideologias e questionamentos.
Todo o peregrino trabalha a mestria sem que o saiba, porque à medida que busca respostas para suas dúvidas, trabalha o interior mediante as informações que lhe são enviadas pelo plano espiritual.
Armando, o personagem oculto deste livro, quando já tinha alcançado uma boa compreensão sobre a história andina, foi a outros pontos importantes como a cidade de Córdoba, na Argentina. Neste local ocorreram muitos fenômenos ufológicos conhecidos publicamente, numa formação rochosa isolada e de difícil acesso por solo. Somente o acesso aéreo permitia vasculhar os detalhes desse local, que atualmente é tido como a entrada central da cidade intraterrena de Erks, que foi chamada também de Cidade dos Sete Planetas.
Suas pesquisas no campo espiritual e ufológico o colocaram em uma nova diretriz, que nunca antes o tinha despertado: o final dos tempos da nossa humanidade e a necessidade de burilar a humanidade para um novo despertar.
Essas informações existiam dentro de sua psique, porém, durante as pesquisas em território peruano e boliviano, ele desenvolveu a base dos contatos e compreensão dos fenômenos. Não tinha ainda alcançado a importância da evolução rumo a um mundo melhor, isso porque ele considerava que a nossa sociedade iria se auto-implodir nas grandes capitais, permitindo novamente um processo de desenvolvimento rural nos pontos isolados do planeta. Não tinha alcançado a magnitude dos problemas que a nossa sociedade colocou no meio ambiente e nos diversos campos de atuação da nossa tecnologia.
O seu contato com a cidade de Erks e com seus habitantes fez com que uma nova realidade viesse de encontro a sua psique emocional e intelectual. Um novo processo de busca e de trabalho estava se ancorando dentro dele. Foi assim que veio a mensagem sobre o Resgate Estelar da Terra e sobre o Comando Asthar, que, até então, era apenas uma fábula sobre algum Comandante Espacial proveniente de contatos esparsos no Brasil.
No Peru e na Bolívia, Asthar era conhecido. No entanto, em suas pesquisas não obteve maiores informações dos contatos que conseguiu, pois ele contatou justamente grupos de estudos genéticos dos Zetas, que possuem bases subterrâneas nas cercanias do Lago Titicaca, próximas aos Templos Etéricos dos Senhores Meru ou Aramu-Meru. A energia desse templo de luz, que representa a Irmandade dos Sete Raios tinha se manifestado timidamente em seu trabalho. No entanto, no seu inconsciente ele começou a recordar informações e vivências com entidades desse templo, justamente quando já estava há quatro meses acampado nas imediações da montanha da cidade de Córdoba, onde as manifestações de UFOS eram diárias.
A relação entre Mestres da Fraternidade Branca e seres extraterrestres começou a fazer sentido em sua mente. Ele já buscava uma ligação, mas não a obtinha, pois ainda ficavam resquícios da influência religiosa de seus pais no Brasil.
Armando entrou em contato com energias mentais e suprafísicas de entidades que lhe eram similares, no entanto, estranhas, como foi o caso da energia proveniente de Amuna Khur e também de Antuak, que diversas vezes estiveram presentes em seus sonhos durante os acampamentos ao redor da montanha sagrada em Córdoba.
Gradualmente um véu começou a cair de sua mente e lhe foi mostrada uma nova realidade, onde todos os caminhos do mundo esotérico se cruzavam. Não mais existiam separações entre os grandes Mestres Espirituais como Jesus, São Francisco, Ramatis, Gautama, Kuan Yin, Mãe Maria, Mestre Hilarion e os comandos espaciais como Kryon, Yashamil e Asthar Sheran, que se manifestaram em suas pesquisas como possíveis comandantes Estelares pesquisadores da evolução humana.
Assim como muitas pessoas que estão nessa busca, ele também acreditava que se tratava de processos evolutivos distintos ou, pelo menos, de diferentes planos de consciência. Embora exista certa lógica no que ele tinha acreditado, todas essas manifestações de energia buscam trabalhar em sintonia, para poderem ajudar nas tarefas na Terra.
Existem realmente distintos planos evolutivos, entre o plano espiritual do Cristo e a materialidade tecnológica de muitos extraterrestres. No entanto, à medida que um ser se eleva e entra em harmonia com as leis cósmicas do universo, ele desperta gradualmente seu Cristo Interno. Armando começou a pesquisar dentro de seu coração esta nova relação, que lhe vinha à mente e em seus sonhos e projeções astrais dentro da cidade de Erks.
Com a sintonia mais ajustada, após alguns dias nas imediações da montanha, ele começou a fazer longas caminhadas e, posteriormente, a tentar algumas escaladas em suas faces menos inclinadas, efetuando acampamentos isolados, como um eremita.
Rodrigo Romo
Postar um comentário