22.5.09

O QUE É KEFIR


O QUE É KEFIR?

Kefir é o produto obtido através da fermentação do leite por organismos benéficos. Seu aspecto é muito semelhante ao do iogurte, no entanto, tem maior valor nutricional e terapêutico. Além das bactérias benéficas e leveduras, o kefir contém minerais, vitaminas do complexo B e aminoácidos essenciais importantes para a manutenção das funções vitais do organismo. Seu abundante teor do aminoácido essencial triptofano, de cálcio e de magnésio promovem um efeito relaxante no sistema nervoso. O kefir também fornece fósforo, um mineral que participa no processo da absorção de carboidratos, gorduras e proteínas. Estes nutrientes, por sua vez, são responsáveis pela manutenção e crescimento celular, e fornecimento de energia ao nosso organismo. Além disso, o kefir é uma fonte excelente de vitamina K e vitaminas do complexo B. A ingesta adequada destas vitaminas promovem a regulação do funcionamento renal e hepático, aceleram os processos de cicatrização e proporcionam aumento da função imunológica (aumento da resistência). O uso regular do kefir pode aliviar desordens intestinais, reduzir a flatulência (exceso de gases), proporcionando um funcionamento intestinal mais saudável. O kefir pode ser consumido "in natura" ou incrementado com outros alimentos como frutas, cereais, mel, etc., o que o torna ainda mais nutritivo.O kefir difere do iogurte por conter colônias de bactérias benéficas (probióticos) que colonizam o trato intestinal, onde controlam e destroem as bactérias patogênicas. Outra característica muito importante do kefir é que suas bactérias e leveduras consomem a maior parte da lactose (açúcar do leite) durante o processo de fermentação, tornando-o um alimento indicado nos casos de diarréia e uma ótima fonte protéica para pacientes com intolerância à lactose. Fonte: http://www.hc.ufpr.br/hosp/nutricao/nutricao.htm História: Como se não bastassem seus benefícios, uma história com ares épicos conta como se espalharam pelo mundo os grãos de kefir.No início do século 18, somente as tribos muçulmanas que habitavam a região do Cáucaso, na Ásia Central, tinham acesso ao kefir. Gerado, possivelmente, na fermentação casual do leite que era carregado em coldres de couro, a população local se referia aos grãos como "jóias de Alá". Associado à religião, o kefir era passado de geração em geração somente entre os muçulmanos.Alertada sobre a substância "milagrosa", a Sociedade de Médicos Russa tentou, nos primeiros anos do século 20, conseguir alguns desses grãos. Em 1908, os médicos pediram ajuda ao dono de uma indústria de laticínios na cidade de Kislovodsk, Nikolai Blandov. Para isso, o empresário enviou uma empregada sua, Irina Sakharova, à missão de seduzir o príncipe muçulmano Bek-Mirza Barchorov e dele adquirir algum kefir. O príncipe apaixonou-se pela mulher mas, receoso de quebrar a tradição islâmica, negou-lhe a "jóia de Alá". Ao perceber que o plano falhara, Sakharova fugiu. Depois, foi raptada por guerreiros de Barchorov, que pretendia desposá-la.Blandov então preparou uma missão de resgate, na qual o príncipe também foi preso e levado ao czar russo. Como "fiança", Barchorov pagou dez libras de kefir (aproximadamente 4,5 kg) à Sakharova, que os distribuiu à população de Moscou, em setembro de 1908. Em 1973, aos 85 anos, Sakharova ganhou uma carta do ministro da Indústria de Alimentos da União Soviética, agradecendo e reconhecendo seu papel na popularização do kefir. Modo de fazer: 1Adicione de duas a quatro colheres (de sopa) de kefir para cada litro de leite. Quanto menor a quantidade de grãos em relação à de leite, mais tempo demora para ficar pronto. O recipiente para armazenamento deve ser preferencialmente de vidro, mas pode-se usar inox ou plástico. Tampe-o, mas deixe uma saída de ar (a solução ideal é usar um pano fixado por um elástico no bocal do recipiente). Em temperatura ambiente, a solução fica pronta em 24 horas. A fermentação é mais rápida sob temperaturas maiores --por outro lado, quem preferir manusear o kefir a cada dois dias ou mais pode armazená-lo na geladeira. O sinal de que a fermentação ocorreu é a coagulação do leite. Com o uso de um coador e um segundo recipiente, separe o leite fermentado dos grãos de kefir. O produto fermentado deve ser armazenado em geladeira e consumido em, no máximo, três dias. Os grãos devem ser recolocados no recipiente, com novo leite.Colocar quatro colheres de sopa de bacilo em um litro de água fria (pura). Adicionar três colheres de sopa de melado, açúcar mascavo ou rapadura. Deixar fermentar doze horas, coar e tomar como refresco. Reutilizar os bacilos com nova dose de água e rapadura, açúcar mascavou ou melado. Esta dose é para uma pessoa. Aumentar conforme o número de pessoas que quizerem utilizar o produto. Não tampar o recipiente. Os bacilos se multiplicam rapidamente. Deve-se dividí-lo e passá-lo adiante. Não jogue fora, pois é muito precioso. Distribua entre amigos e conhecidos.Cuidados na manutenção:- nunca colocar os grãos de kefir em contato com qualquer material que não seja vidro, plástico ou inox- para lavar o recipiente onde os grãos são armazenados, deve-se usar água fervida --o cloro é nocivo ao kefir- se os grãos apresentarem coloração estranha, diferente da típica branca, ou cheiro duvidoso, o kefir deve ser descartado- se notar a separação de um soro de cor esverdeada, provavelmente ocorreu fermentação excessiva. Dilua a solução em leite para consumo- com o cultivo, as bactérias vão se multiplicar. Se a quantidade de grãos ultrapassar suas projeções, o ideal é doar parte à alguém. Foi desse modo que o kefir se espalhou pelo mundo e, ainda hoje, é seu principal método de difusão.
Portal Alfa
Postar um comentário